[Vídeo] Você sabe o que é o Marco Civil da Internet?

O Marco Civil da Internet acaba de ser aprovado pela Câmara dos Deputados com o consentimento da maioria dos partidos. Segundo o texto aprovado, não será mais exigido o uso de data centers no Brasil para armazenamento de dados e a neutralidade da rede foi mantida, com regulamentação por decreto que deverá seguir os parâmetros estabelecidos na lei, conforme previsto na Constituição. O projeto agora segue para o Senado Federal, que terá 45 dias para votá-lo.

Agora, uma questão sobre privacidade. No vídeo acima, o deputado Jean Wyllys e o professor da USP Luli Radfarer, especialista em comunicação digital, esclareceram o que é o Marco Civil da Internet, e acabaram tratando também sobre outros assuntos que as vezes nos parecem complicados a respeito do uso da rede no país. Você, usuário comum, já deve ter percebido que o que é oferecido através de publicidade na internet (banners, vídeos e qualquer mídia online) é baseada nos seus interesses, os quais você acaba demonstrando através de pesquisas e do seu comportamento enquanto navega. Me lembro que quando começou a aparecer publicidade no Gmail, que diziam ser baseada na leitura feita pelos bots nos seus e-mails, as pessoas ficaram loucas reclamando pelas redes sociais a respeito da privacidade, e que o Google tinha conhecimento dos assuntos que você tratava nas suas conversas. Talvez eu seja um dos poucos que discorde que o rastreamento de interesses dos usuários seja considerado algo muito grave, porque pelo menos pra mim, é algo que me facilita na hora de escolher o serviço contratado ou o produto que estou pesquisando.

É claro que estou me baseando nas minhas experiências, e tenho que levar em conta que uma grande parte dos usuários de internet no país não têm consciência da ferramenta que estão utilizando, e que isto é muito prejudicial. Na verdade, o que falta mesmo é um plano de educação que envolva, além de noções de cidadania, a inclusão digital, de forma que as pessoas possam ter conhecimento do que a internet possa oferecer tanto na parte boa, quanto na parte ruim.

Voltando ao assunto, a minha conclusão é que não sou contra o Marco Civil da Internet, desde que seja formulada ou reformulada sempre a favor da qualidade de acesso dos usuários, no sentido de que não devemos ser impedidos de acessar o conteúdo que nos é oferecido.

“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.”  Paulo Freire

Publicado por Kadu Magalhães

Formado em Comunicação, 26 anos, blogueiro, músico, admirador do bom e velho rock n roll.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *